É um sinal de reconhecimento pelo trabalho feito até aqui e um grande estímulo para o futuro: a Cátedra UNESCO em Biodiversidade e Conservação para o Desenvolvimento Sustentável, da Universidade de Coimbra (UC), vai prolongar-se por mais quatro anos, até 2021. A renovação desta plataforma, atribuída à UC em 2013, foi recentemente anunciada pelo UNESCO (Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura).

Constituída como uma plataforma integrada de investigação, formação, informação e comunicação de ciência nos domínios da biodiversidade, ecologia, conservação e desenvolvimento sustentável, entre Portugal e outros países lusófonos, a primeira Cátedra UNESCO da Universidade de Coimbra vê agora renovado o selo da ligação à Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura. “A renovação da cátedra é um reconhecimento pelo trabalho que temos vindo a fazer e é com grande satisfação que o registamos. Mas é também um estímulo a continuarmos a fazer a nossa aposta na transferência do conhecimento e no conhecimento como veículo para transformarmos a sociedade: traz-nos ânimo para fazer mais e melhor”, afirma a responsável da cátedra, Helena Freitas.

A Cátedra UNESCO em Biodiversidade e Conservação para o Desenvolvimento Sustentável abre-se em duas dimensões, ambas com foco na mudança: por um lado, os 17 objetivos de desenvolvimento sustentável que estão integrados na Agenda 2030 da Organização das Nações Unidas, por outro a promoção da biodiversidade a nível nacional, local e regional. “Acreditamos que, através da educação e do conhecimento, as universidades podem e devem ajudar a transformar o mundo”, sublinha Helena Freitas.

“Nós, no âmbito da cátedra e em colaboração com o Centro de Ecologia Funcional, temos esse desejo de que cada investigador, coletiva ou individualmente, consiga que o conhecimento que produz – nos domínios da biodiversidade, da importância dos recursos naturais, da agricultura, das florestas, da aquacultura, das pescas – seja de facto relevante nos domínios transformadores do mundo”, acrescenta a responsável. E, por isso mesmo, Helena Freitas crê que o período de ação da Cátedra UNESCO em Biodiversidade e Conservação para o Desenvolvimento Sustentável se vai prolongar para lá de 2021 (término do vínculo após esta renovação). “O conhecimento é uma chamada de corresponsabilização para a construção de uma sociedade mais justa e mais ecológica. Isso também passa pelos próprios investigadores e professores. E nós queremos ser agentes dessa mudança, à nossa escala de intervenção”, conclui a responsável.

 

 

O Programa de Cátedras UNESCO foi criado em 1992 com o objetivo de promover a cooperação e interligação entre universidades, a nível internacional, para reforçar as capacidades institucionais através da partilha de conhecimento e do trabalho colaborativo. A Universidade de Coimbra tem também uma Cátedra UNESCO Diálogo Intercultural em Patrimónios de Influência Portuguesa, atribuída este ano.

 

Texto: Rui Marques Simões
Vídeo: Marta Costa e Milene Santos

Redes Sociais

Os comentários estão fechados

« »