Jogos Europeus Universitários 2018 em Coimbra querem ser um “legado para o futuro”

Dez 1, 2015

Presidente da European University Sports Association esteve em Coimbra para ver como decorrem as preparações para os jogos de 2018

PartilheShare on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Email this to someone

EUSA conferencia de imprensa
A conferência de imprensa realizou-se no Salão Nobre da Reitoria da UC
Fotografia: © UC | Rui Santos

O Presidente da European University Sports Association (EUSA), Adam Roczek, esteve de visita a Coimbra para conhecer o ponto de situação na preparação para os Jogos Europeus Universitários 2018. “A questão não é propriamente com os jogos, pois sabemos a capacidade de Coimbra, da FADU (Federação Académica de Desporto Universitário) e da Universidade. A questão é definir aquilo que pretendemos alcançar com a organização dos jogos”, explicou Adam Roczek durante a conferência de imprensa que se realizou a 30 de novembro na Reitoria da Universidade de Coimbra (UC). “A maior preocupação e desafio para todos os envolvidos é como utilizar os jogos para deixar um legado duradouro na cidade”, afirmou o responsável.

A maior preocupação e desafio para todos os envolvidos é como utilizar os jogos para deixar um legado duradouro na cidade

E é no futuro que todas as entidades promotoras dos EUSA Games 2018 estão a pensar. A UC, a Associação Académica de Coimbra e a Câmara Municipal de Coimbra, em conjunto com a FADU, assinaram recentemente um acordo de colaboração para fazer da cidade um local onde é mais fácil para todos praticar desporto. Por tudo isto, e cerca de 15 meses após a candidatura, Adam Roczek considerou que este era o momento ideal para fazer um balanço. E gostou do que viu. O responsável da EUSA mostrou-se “satisfeito” com o que lhe foi apresentado.

O vice-reitor da UC responsável pelos Jogos de 2018, Amílcar Falcão, referiu, durante a conferência de imprensa de balanço da visita de Adam Roczek, que a organização está à procura “que a grande maioria das atividades de competição seja feita no Estádio Universitário”. Após as obras dos pavilhões 1 e 3, estão agora “em aberto outras reestruturações possíveis”, adianta Amílcar Falcão. “É uma questão de melhorar espaços”, continuou o responsável, “melhorias que vão sendo feitas de acordo com o que for decidido”. Para Amílcar Falcão há várias obras que podem ainda ser feitas, como “a tribuna e balneários do estádio e campos para a prática de desportos na areia”, exemplifica.

 

Redes Sociais

Os comentários estão fechados

« »