Museu Nacional Machado de Castro integra área classificada como Património Mundial da UNESCO

Jul 7, 2019

PartilheShare on FacebookTweet about this on TwitterEmail this to someone

foto Machado de Castro integra área Património da UNESCO 2
Da esquerda para a direita: Clara Cabral, da Comissão Nacional da UNESCO; o Embaixador José Filipe Moraes Cabral, presidente da Comissão Nacional da UNESCO; o Vice-Reitor da UC, Alfredo Dias; o Embaixador António Sampaio da Nóvoa da Delegação permanente da UNESCO em Paris e a Secretária-executiva da Comissão Nacional da UNESCO, Rita Brasil de Brito.
Fotografia: © DR

O Museu Nacional Machado de Castro (MNMC)  acaba de ser integrado na área classificada pela UNESCO como Património Mundial do Bem Universidade de Coimbra, Alta e Sofia. A decisão foi hoje anunciada em Baku, no Azerbaijão, durante a 43.ª Sessão do Comité do Património Mundial que decorre até ao dia 10 de julho.

Para o Presidente da Direção da Associação RUAS – Recriar a Univer(s)cidade e Vice-Reitor da Universidade de Coimbra para o Património, Edificado e Infraestruturas, Alfredo Dias, trata-se de “um momento da maior importância para o património classificado mas também para a Universidade e o Museu Machado de Castro”. “É um momento de grande relevância, grande significado e grande contentamento” realça o responsável enquanto deixa um agradecimento a todas as entidades envolvidas no processo, nomeadamente, a Universidade de Coimbra, o Museu Nacional Machado de Castro, a Direção Geral do Património Cultural, a Câmara Municipal de Coimbra, a Comissão Nacional da UNESCO e a Comissão UNESCO permanente em Paris. Alfredo Dias felicita ainda os dois novos sítios da Lista do Património Mundial de Portugal aprovados esta manhã: o Real Edifício de Mafra e o Bom Jesus do Monte.

Para a Vice-Presidente da Associação RUAS e Vereadora da Cultura da Câmara Municipal de Coimbra, Carina Gomes, “é um grande acontecimento para a cidade de Coimbra, de que todos devemos orgulhar-nos já que, na verdade, torna ainda mais justa e merecida esta distinção mundial, responsabilizando-nos cada vez mais pela preservação da nossa herança histórica e cultural”. Acrescenta que “a feliz coincidência de a notícia nos chegar durante as Festas da Cidade de Coimbra contribuirá, certamente, para reforçar o ambiente de comemoração que também queremos imprimir a esta classificação”.

Também o Subdiretor Geral do Património Cultural, David Santos, constata a importância do reconhecimento: “A expansão da área classificada pela UNESCO, como Património Mundial, Universidade de Coimbra – Alta e Sofia, para inclusão do MNMC é, antes de mais, uma atitude de permanente requalificação do Bem, no sentido de equilibrar e reforçar a sua identidade”. “Este reconhecimento contribuirá, certamente, para um fortalecimento da sua integridade e para uma responsabilidade partilhada, no sentido da proteção, conservação e salvaguarda de um Património de excecional relevância”, refere ainda o responsável.

“Enquanto espaço fundacional da cidade, contentor de uma riquíssima materialidade que preserva uma memória histórico-artística comum, o MNMC sente este processo de inclusão na área classificada – Universidade de Coimbra- Alta e Sofia – como um imperativo da cidadania mundial”, sublinha a Diretora do MNMC, Ana Alcoforado. “Este é um momento de celebrar e de reafirmar a determinação de estar cada vez mais próximo da comunidade que, ao longo de séculos, construiu a nossa identidade, e de abraçar e arquitetar novos desafios “, destaca Ana Alcoforado.

A aprovação pelo Comité do Património Mundial da inclusão do Museu Nacional de Machado de Castro na área classificada como Património Mundial permite o reforço do Valor Excecional do Bem e vem consolidar a realização e redefinição de programas de âmbito cultural e de fruição patrimonial para a Alta.

A Universidade de Coimbra – Alta e Sofia foi inscrita na Lista do Património Mundial em 2013.

 

Sobre o Museu Nacional Machado de Castro

O Museu Nacional de Machado de Castro, monumento nacional desde 1910, situa-se no antigo Paço Episcopal de Coimbra, que por sua vez se vem instalar no local do forum da cidade em época romana, do qual resta o impressionante criptopórtico. Neste museu nacional encontram-se depositadas mais de uma centena de obras consideradas Tesouro Nacional, sendo que parte significativa e qualificada da coleção provém de antigos colégios universitários, igrejas ou mosteiros que se encontram já na área classificada (Sé Velha, Sé Nova, Mosteiro de Santa Cruz, por outros).

Durante o processo de elaboração da candidatura da Universidade de Coimbra a Património Mundial, o edifício do Museu esteve encerrado devido a uma intervenção de requalificação, que decorreu entre e 2004 e 2012. Esta intervenção, da responsabilidade do arquiteto Gonçalo Byrne, veio a receber o Prémio Piranesi/Prix de Rome, em 2014.

Desde a reabertura do Museu Nacional de Machado de Castro que um conjunto mais vasto de coleções, particularmente as relativas à História e presença da Universidade de Coimbra, se encontram na Exposição permanente. Desde 2012 tem sido reforçada a colaboração interinstitucional baseada na complementaridade, articulação e partilha de recursos e bens disponíveis, participação em redes temáticas internacionais e definição conjunta de programas culturais, formativos e educativos. Esta colaboração alicerça-se na natureza das coleções que o Museu detém à sua guarda, parte delas proveniente da Universidade de Coimbra; nos espólios das duas Instituições que são por elas partilhadas; no valor aportado pela valorização conjunta de toda esta herança e património. De referir, por exemplo, que é o museu o local onde se conservam inúmeros objetos e testemunhos arquitetónicos de muitos espaços universitários que desapareceram com a construção da Cidade Universitária no século XX; que foi o Paço Episcopal, hoje Museu Nacional Machado de Castro, o local de residência de muitos Bispos que acumularam o cargo de Reitor da Universidade; que a génese da cidade romana encontra o seu mais qualificado testemunho no Museu, com a possibilidade de visita e fruição do criptopórtico de época romana. São inúmeros e muito qualificados os testemunhos que concretizam esta relação de vizinhança e colaboração de muitos séculos, o que permitirá um elevado acréscimo nas atividades e projetos em curso, bem como nas estratégias de comunicação de cultura e fruição destes espaços patrimoniais de elevado valor.

 

Redes Sociais

Os comentários estão fechados

« »