No ano lectivo 2019/2020, são 81 os alunos da Universidade de Coimbra (UC) com necessidades educativas especiais acompanhados pelo Núcleo de Integração e Aconselhamento dos Serviços de Ação Social da UC. É “uma grande responsabilidade” da universidade, não apenas “criar condições de acesso ao mercado de trabalho, mas também de participação efetiva, de compreensão adequada de conteúdos e de acesso à informação” a esses estudantes, adianta a Vice Reitora Cristina Albuquerque.

No Dia Internacional da Pessoa com Deficiência, surge a iniciativa UC For All, com o objetivo de “investir de uma forma mais profunda e integrada, para compreender a inclusão como um conjunto e não como medidas isoladas”, acrescenta. O programa, classificado por Cristina Albuquerque como uma iniciativa “multifacetada”, pretende “criar condições para que todos, enquanto comunidade académica, possamos construir uma universidade mais inclusiva e mais capaz”. A Vice Reitora acrescenta que a UC For All quer “conhecer melhor as necessidades e expetativas das pessoas com necessidades especiais”, ideia que considera “fundamental”.

“Aproveitando as nossas diferenças, ganhamos maior competitividade”. É assim que o Reitor da UC, Amílcar Falcão vê as oportunidades da iniciativa UC For All, “um conceito que devemos levar cada vez mais para dentro da Universidade”. Para o responsável, “para além das missões que são estatutárias de uma universidade pública, temos ainda as missões de neutralidade carbónica, que assumimos, e uma outra vertente, da inclusão e cidadania”. De acordo com Amílcar Falcão, “o nosso objetivo é passar uma mensagem de que somos todos iguais, mesmo sendo todos diferentes”.

Durante a sessão foram ainda apresentados novos equipamentos que, em breve, vão estar disponíveis na Biblioteca Geral da UC (BGUC). As tecnologias, “subsidiadas pela Fundação Altice, que desde o início teve como tema a acessibilidade digital”, surgem no âmbito de um protocolo assinado entre a UC e esta entidade. De acordo com Daniel Freitas, engenheiro na Área de Desenvolvimento de Soluções Digitais da Fundação Altice que apresentou os equipamentos, vão servir para “trabalharmos em conjunto para a melhoria e bem estar das pessoas”.

António Feliciano de Castilho é “o primeiro caso exemplar de sucesso da UC” de um estudante invisual, recordou a diretora do Arquivo da UC, Cristina Freitas. Em homenagem, o Arquivo da UC, em colaboração com a Biblioteca Geral, apresentou uma exposição, que vai estar patente em breve e que vai mostrar algumas obras do “caso de sucesso”. O diretor da BGUC, João Gouveia Monteiro, aproveitou a oportunidade para revelar que há no espólio da Biblioteca 70 obras de António Feliciano de Castilho, e mais de 300 sobre o autor. No futuro, Cristina Freitas gostaria de ver expostas obras de outros antigos e atuais alunos da UC com necessidades especiais.

Veja aqui algumas fotos da iniciativa:

Apresentação do Programa UC For All

 

Marta Costa e Karine Paniza

Redes Sociais

Os comentários estão fechados

« »