Ciência Viva no Verão em Rede está de volta e promete juntar as pessoas à volta da ciência

Jul 11, 2017

"Em Coimbra há mais vida e onde há vida há ciência", sublinhou Carlos Fiolhais durante a apresentação do programa Verão em Rede 2017.

PartilheShare on FacebookTweet about this on TwitterEmail this to someone

Romulo Centro Ciencia Viva verao em rede 2017 apresentacao cafe santa cruz 2017
Vitor Marques, António Piedade, Manuela Serra e Silva e Carlos Fiolhais junto ao Café Santa Cruz.
Fotografia: © UC | Marta Costa

“A ciência esteve fechada, não só em gabinetes, mas também em armários fechados”, lamenta o diretor do Rómulo Centro Ciência Viva da Universidade de Coimbra (UC), Carlos Fiolhais. “Estamos a tirar a ciência desses armários e a mostrá-la”. Tem sido assim com a Ciência Viva no Verão em Rede, iniciativa promovida pela Agência Nacional para a Cultura Científica e Tecnológica – Ciência Viva. Pelo terceiro ano, o Rómulo associa-se ao Café Santa Cruz para dinamizar várias iniciativas no âmbito do programa. Com início a 15 de julho, as ações prolongam-se até 15 de setembro, sendo que, em agosto, o Museu da Ciência da UC associa-se ao projeto.

é para isso que serve a ciência viva: para juntar as pessoas à volta da ciência

Em 2017, o tema das Tertúlias ao Luar é “Ciência em Saúde”, revelaram os responsáveis durante a apresentação do programa no Café Santa Cruz. “Vamos ter nutricionistas, médicos, empresários na área da saúde. Coimbra é conhecida como centro de excelência na saúde, e vamos falar disso ao luar”, acrescenta Carlos Fiolhais. Outra das novidades da edição que está prestes a arrancar, o coordenador do Rómulo Centro Ciência Viva da UC, António Piedade, apresentou ainda a colaboração com o Observatório Astronómico e Geofísico da UC que “abre os seus telescópios” ao público para “contemplar as luas de Júpiter” ou para sessões no planetário. As atividades com o Jardim Botânico da UC ou com o Museu da Ciência da UC (em agosto) também foram destacadas por António Piedade.

“Conseguimos congregar pólos difusores de cultura da UC, e é para isso que serve a ciência viva: para juntar as pessoas à volta da ciência”, realça Carlos Fiolhais. “Estes centros desenvolvem atividades por vezes complementares, mas nesta época do ano, fazemos uma programação combinada, e isso é bom para todos”, sublinha o responsável pelo Rómulo Centro Ciência Viva da UC. O mesmo é defendido por Vitor Marques, do Café Santa Cruz. “Conseguimos atrair um público bastante diferente, miúdos e turistas pela manhã e à noite outro tipo de pessoas, e isso é importante”. Quanto a participar no Verão em Rede, Vitor Marques considera que “é uma iniciativa que contribui decisivamente para tornar o centro histórico mais atrativo”. “Só temos a ganhar com o facto de sermos parceiros, e só através destas parcerias é que estas iniciativas conseguem ir mais longe e de uma forma sustentável”, conclui.

No total, em Coimbra, são 34 as atividades previstas em colaboração com o Jardim Botânico da UC, o Departamento de Física da Faculdade de Ciências e Tecnologia da UC, o Observatório Geofísico e Astronómico da UC, o Centro de Neurociências e Biologia Celular, o NEDF – Núcleo de Estudantes do Departamento de Física da Associação Académica de Coimbra, a Associação para o Desenvolvimento do Departamento de Física, a Agência para a Promoção da Baixa de Coimbra, a APPACDM – Casa de Chá do Jardim da Sereia, para além do Café de Santa Cruz e do Museu da Ciência da Universidade de Coimbra.

Da rede nacional fazem parte 20 centros Ciência Viva. Em 2017, contam-se mais de 800 iniciativas promovidas em parceria com mais de 100 entidades no Verão em Rede. A programação completa pode ser encontrada aqui.

 

Texto de: Marta Costa

Redes Sociais

Os comentários estão fechados

« »