Portugal é um dos países mais envelhecidos do mundo com uma das maiores incidências de doenças crónicas associadas ao envelhecimento, como cancro, diabetes ou doenças cardiovasculares, responsáveis pela deterioração da qualidade de vida do idoso. O projeto MIA-Portugal (Instituto Multidisciplinar do Envelhecimento) tem como objetivo construir o primeiro centro de referência no sul da Europa, focado no estudo dos processos biológicos do envelhecimento para promover e sustentar o envelhecimento saudável e ativo.

Lançado pela Universidade de Coimbra (UC), em parceria com a CCDRC (Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional do Centro) e o Instituto Pedro Nunes, o novo MIA- Portugal Instituto Multidisciplinar do Envelhecimento será um projeto pioneiro a nível nacional na área da investigação do envelhecimento.

O MIA-Portugal é financiado pela União Europeia com comparticipação da Universidade de Coimbra e da CCDRC num montante total de 49 milhões de euros, dos quais 15 milhões são investimento direto do programa Teaming da EU.

De acordo com Rodrigo Cunha, Coordenador do Projeto, «o MIA-Portugal visa responder à ‘armadilha’ do envelhecimento, resultante do aumento da esperança de vida que está diretamente ligado ao aumento do número de idosos com doenças crónicas. O envelhecimento é o principal fator de risco para doenças crónicas como a diabetes, Alzheimer, as doenças cardiovasculares, a osteoporose ou o cancro, as quais são tratadas de modo independente.» E acrescenta: «A ideia é identificar as bases biológicas do envelhecimento e desenhar estratégias novas que diminuam o processo de envelhecimento de modo a atrasar ou suprimir em simultâneo as várias doenças crónicas associadas ao envelhecimento. O objetivo não é aumentar a esperança de vida mas sim, aumentar a qualidade de vida da pessoa idosa.»

 

Coimbra cidade de referência a nível da investigação do envelhecimento

A aprovação pela União Europeia do MIA-Portugal, em Coimbra, decorre do reconhecimento do serviço de excelência na área biomédica da Faculdade de Medicina da Universidade de Coimbra (uma referência no ensino em Portugal), dos Hospitais da Universidade de Coimbra (o maior do país), do Centro de Neurociências e Biologia Celular (o primeiro e mais produtivo centro de investigação biomédica do pais), bem como do Instituto Pedro Nunes e do Biocant (incubadoras de start-ups premiadas).

Além da contribuição para a génese de conhecimento, a atividade do MIA-Portugal estará direcionada para a exploração clínica e empresarial, com vista a desenvolver novas estratégias profiláticas e terapêuticas para atenuar a incidência e desenvolvimento de doenças crónicas associadas ao envelhecimento, assim como desenvolver novas metodologias de promoção de qualidade de vida do idoso.

Por outro lado, os grupos de investigação do MIA-Portugal irão desenvolver a sua atividade científica de investigação clínica em colaboração com grupos dos parceiros internacionais –University of Newcastle Upon Tyne e University Medical Center Groningen – com o objetivo de identificar os mecanismos biológicos responsáveis pelo processo de envelhecimento, de longe o maior fator de risco para o aparecimento das várias doenças crónicas associadas ao envelhecimento.

 

Programa da apresentação do projeto MIA-Portugal (Instituto Multidisciplinar do Envelhecimento), no dia 21 de Janeiro, no Colégio da Trindade, em Coimbra:
09h30-10h00
Sessão de Abertura
10h00–10h20
Apresentação da Temática: Envelhecimento – Desafios e oportunidades Rodrigo Cunha, Coordenador do Projeto MIA-Portugal, Universidade de Coimbra
10h20-10h30
António Veiga Simão
Presidente da Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional do Centro (CCDR-C)
10h30-10h50
João Albuquerque
Direção Geral de Investigação e Inovação, Comissão Europeia
10h50-11h10
Ana Abrunhosa
Ministra da Coesão Territorial
11h10-11h30
Marta Temido*
Ministra da Saúde (*em confirmação)
11h30-11h50
Amilcar Falcão
Reitor da Universidade de Coimbra
11h50-12h30
Intervenção dos Media – Questões e Entrevistas

 

 

 

Multicom

Redes Sociais

Os comentários estão fechados

« »