Integrado no Ciclo de Música “Orphika”, a Universidade de Coimbra e o Coro Sinfónico Inês de Castro (Associação Ecos do Passado) apresentam e organizam o Concerto de Natal “Glória à Vida”, que terá lugar a 8 de dezembro, pelas 18h30, no Teatro Académico de Gil Vicente (TAGV).

As vozes de mais de uma centena de coralistas, que integram o Coro Sinfónico Inês de Castro, o Orfeon Académico de Coimbra, o Coro Misto da Universidade de Coimbra e o Coro da Capela da Universidade de Coimbra, interpretam Os Tropos Profanos da obra Magnificat em Talha Dourada, de Eurico Carrapatoso (1998), e a obra Oratória de Natal de Camille Saint-Saëns (1858).

O concerto tem um valor de 10 euros e os bilhetes já se encontram disponíveis em vários locais: bilheteira do TAGV, na BOL (aqui) ou diretamente com o Coro Sinfónico Inês de Castro.

Magnificat em Talha Dourada é «obra dileta» de Eurico Carrapatoso (1962), um dos mais prestigiados compositores portugueses da atualidade, galardoado pela SPA, em 2017, com o «Prémio Autores» na categoria de melhor trabalho de música erudita, pretende prestar uma homenagem musical dupla: à cultura barroca setecentista portuguesa, expressa através do título Talha Dourada, elemento caraterizante da arte religiosa desse tempo, bem como à cultura popular, através de elementos identitários referentes ao culto Mariano, através do acrescento de «tropos profanos» em português a interagirem com os andamentos de cariz erudito em latim.

Oratória de Natal (Oratorio de Noël) é uma cantata do compositor francês Camille Saint-Saëns (1835-1921), destinada a um quinteto de cantores solistas, um coro de quatro vozes mistas, uma orquestra de arcos, arpa e órgão. O oratório está dividido em dez andamentos distintos, cujos textos alternam excertos descritivos retirados de episódios dos Evangelhos de S. João e de S. Lucas e outros mais reflexivos, a recolherem algumas passagens do Antigo Testamento (Salmos, Livros de Isaías e de Jeremias). Além de afamado compositor, pianista virtuoso e relevante organista, Saint-Saëns ocupou, durante 20 anos, o cargo de músico titular da igreja da Madeleine em Paris, tendo esta sua obra nela estreado em 24 dezembro de 1858.

 

GLORIA_À_VIDA_FINAL 28 Outubro

 

Mais informações na página de Facebook do evento (aqui) ou através do e-mail corosinfonicoinesdecastro@gmail.com.

 

 

Milene Santos (com Coro Sinfónico Inês de Castro)

Redes Sociais

Os comentários estão fechados

« »