Elite mundial da astronomia em Coimbra

Mar 22, 2018

PartilheShare on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Email this to someone

Observatório Astronómico
Fotografia: © DR

David Jewitt, que descobriu a Cintura de Kuiper, em 1992, e a existência de cometas entre asteroides (em 2006) – algo que não se esperava que fosse possível; Alan Stern, o responsável principal da missão espacial New Horizons e um inconformado com a despromoção de Plutão do seu estatuto de planeta; Rodney Gomes, Alessandro Morbidelli e Hal Levison, que concluíram que os planetas gigantes do Sistema Solar migraram após a sua formação, são apenas alguns dos brilhantes cientistas planetários especialistas nos Objetos Transneptunianos (TNOs, na sigla inglesa), também conhecidos por Objetos da Cintura de Kuiper (KBOs), que vão estar em Coimbra na próxima semana.

Trata-se da conferência internacional “The Transneptunian Solar System” (O Sistema Solar Transneptuniano), organizada pelo Centro de Investigação da Terra e do Espaço da Universidade de Coimbra (CITEUC) e pelo Max Planck Institute for Solar System Research, que vai decorrer entre os dias 26 e 29 de março, no Departamento de Física da Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade de Coimbra (FCTUC).

Durante os quatro dias da conferência, avança Nuno Peixinho, astrónomo do CITEUC, 115 peritos vão discutir «as mil e uma formas de estudar a ainda pouco conhecida Cintura de Kuiper e os seus descendentes Centauros e cometas de curto período. Desde as suas propriedades físicas, aos detalhes dos seus maiores membros conhecidos, como o ex-planeta Plutão e a sua maior lua Caronte, o gigante Eris, que quase chegou a ser planeta, o muito abatatado Haumea e o estranho Varuna.»

Mas não só. Vão também debater «as últimas novidades científicas relativamente aos TNOs que possuem luas, alguns com nomes tão exóticos como Manwe-Torondor, que parecem saídos do Senhor dos Anéis, ou Patroclus-Menoetius, que parecem saídos de um Asterix.»

Abordar-se-ão igualmente os complexos detalhes da «evolução dinâmica destes corpos ao longo de centenas de milhar ou mesmo milhões de anos, principalmente simulada em computadores, os mais recentes estudos da possibilidade de existência de objetos semelhantes em torno de outras estrelas, sem esquecer, evidentemente, os últimos resultados da incansável procura pelo Planeta 9, o que esperar do pequeno objeto 2014MU69, por onde irá passar a sonda New Horizons a 1 de janeiro de 2019, antes de se despedir de nós, e, claro, as perspetivas para o futuro desta área de investigação em astronomia», destaca Nuno Peixinho.

Mais informação disponível: aqui.

 

Cristina Pinto

Redes Sociais

Os comentários estão fechados

« »