Dia 26 de abril, pelas 18 horas, vai ser lançada, no Centro Ciência Viva Rómulo de Carvalho (CCVRC), situado no Departamento de Física da Universidade de Coimbra (UC), a obra “Nos palcos da Ciência: Uma apreciação estética da heterodoxia científica”, da autoria de Sebastião J. Formosinho e edição da Imprensa da Universidade de Coimbra (IUC).

Na obra, que vai ser apresentada por Carlos Fiolhais, o autor vai percorrer a sua carreira científica nos domínios mais heterodoxos que cultivou, e na linha de obras como “Nos Bastidores da Ciência. 20 Anos Depois”.

Sebastião J. Formosinho convida os seus leitores a fazerem uma viagem a diferentes velocidades de perceção no território da Cinética Química, o domínio da química que trata das velocidades das reações químicas, e em dois veículos teóricos que criou com os seus colaboradores: o “Intersecting-state Model” e a “Teoria de Efeito Túnel”.
Sobre o autor:
Sebastião J. Formosinho licenciou-se em Físico-Químicas na Universidade de Coimbra em 1964 e doutorou-se, em 1971, na Royal Institution, sob a supervisão do Prof. George Porter, prémio Nobel da Química. Assistente de Química desde 1964, professor Auxiliar em 1971 e professor catedrático em 1979.
Publicou mais de 170 artigos em química (índice-h([ISI/GoogleScholar]=30), e é coautor do “Chemical Kinetics. From Molecular Structure to Chemical Reactivity”, Elsevier. Publicou artigos e 30 livros sobre epistemologia e história das ciências, educação em química, relações entre ciência e religião. É coautor de duas patentes mundiais. Exerceu diversos cargos de direção no Departamento de Química e na FCTUC, e as funções de Secretário de Estado do Ensino Superior em 1980 e 1981.
Foi Presidente da Sociedade Portuguesa de Química. É membro efetivo da Academia das Ciências de Lisboa. Foi galardoado com o Prémio Artur Malheiros da Academia das Ciências(1972), Medalha Ferreira da Silva da SPQ (1984), Prémio Gulbenkian da Ciência (1994), Prémio Aboim Sande Lemos da Faculdade de Teologia da UCP (1998), Prémio de Estímulo à Excelência da FCT (2004) e Prémio Inventa da GGD (2011) pelas patentes de que é coinventor.

 

nos palcos da ciência

Redes Sociais

Os comentários estão fechados

« »