a carregar...

Metamorfoses inspiram Festival das Artes

Jun 22 • Sem comentários em Metamorfoses inspiram Festival das Artes

Adriana Calcanhotto, Professora convidada da UC, leva ao Anfiteatro da Colina de Camões, a 18 de julho, o espetáculo inédito “Dessa Vez”

PartilheShare on Facebook0Tweet about this on Twitter0Share on Google+1Email this to someone

Festival das Artes 9ª edição
Fotografia: © DR

 

Entre 15 e 23 de julho, a nona edição do Festival das Artes, dedicada ao tema Metamorfoses, promete encher Coimbra de música, magia, cinema, artes pláticas e muito mais. O festival vai percorrer vários espaços da cidade – passando pela Biblioteca Joanina e pela Biblioteca Geral da Universidade de Coimbra – transformando-os num lugar de encontros e metamorfoses.

É este o tema central no Festival das Artes deste ano que abre com um Concerto no Convento São Francisco a 15 de julho. A Orquestra Metropolitana de Lisboa, dirigida pelo maestro Pedro Amaral, apresenta obras de Ludwig van Beethoven, Richard Strauss e Johannes Brahms que refletem diferentes tipos de mudança política, social e pessoal na vida dos compositores.

No dia 16 de julho é inaugurada na Biblioteca Geral da UC a exposição “Mutatis Mutandis: Os Dramas da Forma”, patente na Sala de S.Pedro até dia 22 de julho. Também nesse dia, às 21h, o grupo de música antiga Il Dolcimelo, sob a batuta da maestrina Isabel Monteiro, leva à Biblioteca da Joanina a “Viagem na Nau do Tempo”.

Destaque para o concerto de Adriana Calcanhotto, a 18 de julho, inspirado em todas as impressões e contágios que teve com a cultura, a poesia e a música portuguesas, metamorfoseando-as em melodias. Em “Dessa Vez”, a cantora faz-se acompanhar pelo músico Gabriel Muzak, compositor e guitarrista carioca que participou nas masterclasses dadas por Adriana Calcanhotto na Universidade de Coimbra ao longo do 2.º semestre deste ano letivo. Juntos apresentam, num alinhamento inédito, algumas das músicas que Adriana Calcanhotto trabalhou ao longo da sua residência na Faculdade de Letras da UC, entre cantigas de trovadores medievais como D. Dinis e Arnaut Daniel, poemas musicados, entre os quais constam os poemas de Adília Lopes, alguns clássicos do cancioneiro brasileiro, bem como canções novas escritas em Portugal. Não faltarão, porém, os sucessos incontornáveis da trajetória musical da cantora, como “Fico assim sem você “, “Vambora” e “Esquadros”.

No dia 17 de julho, o mágico Luís de Matos ocupa o Anfiteatro Colina de Camões para dar a conhecer ao público um espetáculo concebido e desenhado especialmente para a ocasião, no qual a magia interage com os elementos paisagísticos e arquitetónicos do espaço.

O encerramento do festival fica a cargo da Orquestra Gulbenkian, com Tamila Kharambura no violino e direção do maestro José Eduardo Gomes.

O tema das Metamorfoses é explorado também no Ciclo de Conferências, no Hotel Quinta das Lágrimas, e no Ciclo de Artes Plásticas, com a inauguração de uma exposição de azulejaria no Museu Nacional de Machado de Castro e uma exposição de pintura no Edifício Chiado. O festival conta ainda com o habitual Ciclo de Cinema, comissariado por Pedro Mexia, no Mosteiro de Santa-Clara-a-Velha.

 

Conheça o programa completo em http://www.festivaldasartes.com/.

Publicado por: Marta Costa

Redes Sociais

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *


*

« »

oo