Saúde Mental e Arte

Out 16, 2014

PartilheShare on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Email this to someone

TAGV
O TAGV recebe alguns dos espetáculos teatrais do projeto Saúde Mental e Arte
Fotografia: © UC | Karine Paniza

Conseguir expressar emoções e extravasar o próprio pensamento por palavras não é uma tarefa fácil. Imagine ter dentro de si todo um remoinho de sensações e ao mesmo tempo ter problemas de saúde mental.  O projeto Saúde Mental e Arte surge para potencializar o lado criativo de mais de 400 utentes de norte a sul do país.

Vera Ferreira aceitou o desafio e diz-se feliz por representar “uma senhora fina que deixou de ter emprego e então foi viver para as ruas”. A utente do Hospital Dia do Hospital de Santarém sente que, tanto para ela como para os outros participantes, representar é uma liberdade. “Foi muito benéfico para todos e a amizade que se gerou entre nós foi muito importante”, afirma Vera. A utente nunca se imaginou a  “conseguir estar num palco” e, por isso, “representar e estar à vontade foi muito importante”.

 

[sublimevideo settings=”youtube-id:yC3GVF5q4FE” width=”600″ height=”338″]

 

O Teatro Académico de Gil Vicente (TAGV) associou-se ao Programa Nacional para a Saúde Mental, no âmbito do Dia Mundial da Saúde Mental, assinalado a 10 de outubro, e das comemorações dos 35 anos do Serviço Nacional de Saúde, que este ano em Coimbra, se celebram entre os dias 10 e 19 de outubro. O objetivo das comemorações prende-se com a vontade de mostrar à comunidade diferentes expressões artísticas interpretadas por pessoas com problemas de saúde mental.

Coimbra acolhe eventos na áreas do Teatro , Artes Plásticas e Dança, tendo como responsáveis João Maria André, Comissário para a área de Teatro, Carlos Antunes, Comissário para área das Artes Plásticas, e Leonor Barata, Comissária para a área da Dança.

 

[sublimevideo settings=”youtube-id:5FN562VV3JI” width=”600″ height=”338″]

 

A enfermeira Carla Ferreira, que acompanha o grupo de utentes do Hospital Dia do Hospital de Santarém, destaca que “no início de cada espetáculo existe alguma tensão mas é normal e que no final a sensação é tão boa e tão libertadora que todos se sentem felizes”.

Saiba mais sobre o projeto Saúde Mental e Arte aqui.

 

Redes Sociais

Os comentários estão fechados

« »