Começa no sábado, 20, a VII edição do Sons da Cidade, evento cultural anual que celebra a inscrição da “Universidade de Coimbra, Alta e Sofia” na Lista do Património Mundial da UNESCO, sob o signo da reflexão e intervenção artística. Com o tema “Números [e|i]Números” – evocando as inúmeras efemérides que se celebram em 2020 – a iniciativa decorre nos dias 20, 21 e 22 de junho e 13 de setembro de 2020.

Num ano atípico, o Sons da Cidade regressa com um programa adaptado ao período de desconfinamento que o país atravessa (cumprindo todas as orientações das autoridades de saúde). A VII edição deste evento cultural – com organização da Associação RUAS (Recriar a Universidade, Alta e Sofia), da Universidade de Coimbra (UC), da Câmara Municipal (CM) de Coimbra e da Direção Regional de Cultura do Centro (DRCC), e com o apoio de várias instituições parceiras – convida à revisitação de espaços, momentos e obras musicais e literárias, tendo como mote efemérides como os 730 anos da Universidade de Coimbra, o sétimo aniversário da inscrição da “Universidade de Coimbra – Alta e Sofia” na Lista do Património Mundial, o Jubileu dos Mártires de Marrocos e de Santo António (que assinala os 800 anos do martírio dos primeiros frades franciscanos e a sua importância na vocação de Santo António), os 750 anos do nascimento da Rainha Santa Isabel (padroeira da cidade de Coimbra) e os 50 e 25 anos das mortes de José Régio e Miguel Torga, respetivamente.

O programa arranca com duas visitas guiadas (com lugares limitados e inscrição prévia obrigatória): um percurso pelo Património Mundial da UC (de 20 a 22, às 10h00); e “3 escritores, 7 percursos”, uma evocação da obra de D. Dinis, José Régio e Miguel Torga, com a colaboração do coletivo DeclAMAR Poesia (20 a 22 de junho, às 15h00).

Na primeira edição desde a inclusão do Museu Nacional de Machado de Castro (MNMC) na área classificada como Património Mundial, o Sons da Cidade também passa pelo MNMC, com a atividade “#versoREverso da obra de arte”, um olhar sobre 7 peças da coleção do Museu e 7 poemas (dia 22, às 18h00), e com um momento musical no Pátio do Museu pelo grupo ‘Segue-me à Capela’, um coletivo de sete mulheres que trabalha a música tradicional portuguesa numa perspetiva contemporânea (dia 22, às 19h00).

Pelas notas musicais passam também os dois principais momentos evocativos do 730.º aniversário da Universidade de Coimbra (incluindo, de forma excecional, a extensão do Sons da Cidade até setembro). No próximo sábado, 20, a partir das 17h00, o Jardim Botânico recebe “Uma Viagem musical (a três tempos) pelos 730 anos de história da Universidade de Coimbra”. O espetáculo inclui três atuações distintas, em três espaços diferentes do Jardim: “A Arte de Trovar”, uma revisitação do cancioneiro trovadoresco galego-português, por Ricardo Leitão Pedro; “Ecos da Coimbra humanista: os tesouros musicais conimbricenses dos séculos XVI e XVII”, pel’O Bando de Surunyo; e “Tomar o pulso ao presente”, com a eletrónica de espírito rock dos Ghost Hunt.

Por fim, para 13 de setembro está reservado o concerto “730 anos da UC: 73 Harpas no Mondego”. Este espetáculo único, no Pátio das Escolas, com produção de Nuno Feist, vai reunir pela primeira vez em Portugal 73 harpas na mesma performance (uma por cada década de existência da UC), revisitando os momentos mais marcantes da história da Universidade de Coimbra e da sua relação com a cidade e o Mundo.
“Trata-se de um programa que convida à comemoração desta importante data para a Universidade e cidade de Coimbra, de forma ajustada às circunstâncias do momento que vivemos. São precisamente estas circunstâncias particulares que tornam ainda mais relevante e urgente a importância desta celebração, que se concretiza e materializa num conjunto diversificado e qualificado de iniciativas”, afirma o presidente da Associação RUAS e vice-reitor da UC para o Património, Edificado e Infraestruturas, Alfredo Dias.

Por seu turno, a vereadora da Cultura, Turismo e Juventude da CM Coimbra e vice-presidente da Associação RUAS, Carina Gomes, destaca “a diversidade das iniciativas culturais, que vão decorrer em segurança e de acordo com as normas das autoridades de saúde, para assinalar os sete anos da inscrição da Universidade, Alta e Sofia na lista do Património Mundial da UNESCO”. “Esta não é a hora da despedida. É a hora do regresso, do reencontro”, salienta a autarca, remetendo para a campanha nacional de promoção turística que a CM Coimbra iniciou esta semana, com o objetivo de estimular a atividade económica do concelho nos próximos meses, promovendo uma cidade atrativa e segura.

“Este programa sublinha o regresso às atividades culturais, em harmonioso diálogo com o património construído e a natureza, fazendo da experiência da pandemia uma oportunidade para promover a inovação artística e a criatividade”, conclui, por sua vez, o vice-reitor da UC para a Cultura e Ciência Aberta e vogal da direção da Associação Ruas, Delfim Leão.

Programa completo aqui.

Rui Marques Simões

Redes Sociais

Os comentários estão fechados

« »