UC na Feira Cultural de Coimbra 2018

Jun 8, 2018

O Parque Dr. Manuel Braga é o espaço escolhido para a confluência de artesanato, artes plásticas, literatura e muito mais.

PartilheShare on Facebook0Tweet about this on Twitter0Share on Google+0Email this to someone

Toda a cultura está às margens do Mondego até 10 de junho. As mais diversas manifestações artísticas unem-se ao comércio e à gastronomia na Feira Cultural de Coimbra 2018. A Universidade de Coimbra (UC) está presente com a Associação Ruas para divulgar a iniciativa Sons da Cidade. Trata-se de uma série de eventos culturais articulados sob o quinto aniversário da caracterização da Universidade de Coimbra, Alta e Sofia como património mundial pela UNESCO.

Pelo corredor do artesanato pode-se encontrar uma figura carismática de Barcelos que não deixa uma Feira Cultural de Coimbra passar em branco. Júlia Côta trabalha com esculturas desde os nove anos de idade. “Claro que a essa idade era só estragar o barro”, brinca a artesã. Pegou o gosto pelo ofício com a mãe e à partir daí nunca o abandonou. A artesã declara com orgulho que o seu avô foi o criador do galo de Barcelos que, segundo ela, “deu nome a Portugal inteiro”. Revela ainda que quando está mal disposta basta amarrar-se ao artesanato que os problemas vão embora. “Gosto mesmo muito do que faço, tenho amor ao barro”.

O legado de Júlia Côta está, como refere, nas “mãos de prata da filha”. Prazeres Côta guarda o stand de seu nome onde figuram imagens muito parecidas às da mãe. Foi a única dos filhos de Júlia Côta que desde cedo começou a trabalhar com o barro e a cerâmica. “É um trabalho que me dá muito gosto. Às vezes estou quase a dormir e já penso no que vou produzir no dia seguinte”, completa a artesã.

Pouco à frente da mãe e da filha está a inseparável amiga de feira que vem da mesma terra, Maria Ermelinda Rodrigues. Rendas dispostas pelo certame são só ofuscadas pela própria artesã que tece o seu trabalho. O ofício da comerciante já a levou à França e ao Brasil. O legado artístico que acompanha Maria Ermelinda desde as primeiras idas à feira com a sua mãe vem de muito antes. Através de uma iniciativa da Câmara Municipal de Barcelos de rastreio de seu património cultural foi encontrada uma toalha que data de 180 anos atrás. Mas a artesã reflete também sobre o futuro. A próxima feira da qual vai participar é a Feira Internacional de Lisboa.

Mais informações sobre a Feira Cultural de Coimbra podem ser encontradas aqui.

 

Vittorio Aranha – estudante FLUC

Redes Sociais

Os comentários estão fechados

« »