A Universidade de Coimbra (UC) inaugura, pelas 12h00 de dia 14 de fevereiro, o seu novo centro de processamento de dados (‘data center’) – localizado no piso inferior do edifício dos departamentos de Física e Química, com entrada pela Rua do Arco da Traição. Maior e modernizado a nível de potência, segurança e climatização, o espaço vai também albergar o supercomputador do Laboratório de Computação Avançada da UC, resultando num investimento acumulado de cerca de 2,2 milhões de euros.

Sendo um centro de processamento de dados um ponto nevrálgico que une todas as ligações informáticas de uma instituição (é o local onde são concentrados os equipamentos de processamento e armazenamento de dados), o novo ‘data center’ é um claro passo em frente, que deixa a Universidade de Coimbra a postos para os desafios vindouros, numa área em constante mutação. Mais amplo (com uma área de cerca de 100 m2), tem capacidade para albergar equipamentos cada vez mais potentes e exigentes. Está preparado para o futuro, pois se houver necessidade pode aumentar a sua dimensão.

“Os ganhos são evidentes. Há um claro aumento de qualidade do ‘data center’, que foi muito reforçado ao nível de climatização, da energia e da segurança das instalações”, sublinha o diretor do Serviço Gestão de Sistemas e Infraestruturas de Informação e Comunicação da UC, Jorge China. No novo centro de processamento de dados da UC também se destaca uma clara evolução a nível da redundância dos equipamentos, aumentando assim a tolerância a falhas que possam vir a ocorrer na rede elétrica e na infraestrutura de computação, com melhores dispositivos para garantir a manutenção em funcionamento dos sistemas alojados no ‘data center’ e a sua segurança.

No mesmo espaço está agora também alojado o Navigator, o supercomputador do Laboratório de Computação Avançada da UC (sucessor do Milipeia). Este sistema de computação de alto desempenho, que pode ser utilizado para processar grandes volumes de dados e resolver problemas científicos extremamente complexos (que exigem este tipo de computação), também fica a ganhar com a transferência para as novas instalações do ‘data center’. “Essa mudança é muito importante, porque aqui há muito melhores condições de alojamento do sistema, que vão permitir que se possa maximizar a utilização e realizar as potencialidades do Navigator”, aponta o coordenador do Laboratório de Computação Avançada da UC, Pedro Vieira Alberto.

Composto por 3936 núcleos de processamento e 164 servidores (o equivalente a cerca de 2000 computadores pessoais), o Navigator é uma importante ferramenta de trabalho para investigadores de áreas tão díspares como biociências, ciência de materiais, física de altas energias astrofísica ou dinâmica de fluidos. O supercomputador está também integrado na rede internacional PRACE (PaRtnership for Advanced Computing on Europe), confirmando a Universidade de Coimbra como uma instituição de referência a nível europeu na área da computação avançada.

No total, os projetos do ‘data center’ e de implementação do supercomputador tiveram um custo acumulado de 2,17 milhões de euros, financiado 1,22 milhões de euros pelo Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional (FEDER), através do Programa Operacional Regional do Centro (MAIS CENTRO), em 250 mil euros pela Fundação para a Ciência e Tecnologia e os restantes 700 mil euros pela própria UC.

 

instalaçõesSGSIIC ©UCMIlene Santos

Instalações do novo centro de processamento de dados, “data center”, da UC

 

Rui Marques Simões

Redes Sociais

Os comentários estão fechados

« »