Universidade de Coimbra cria Academia Sino-Lusófona para trabalhar com a China

Out 19, 2018

PartilheShare on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Email this to someone

Rui Marcos
O diretor da Academia SIno-Lusófona, Rui Marcos.
Fotografia: © UC | Marta Costa

Depois de séculos a fazer a ligação entre Ocidente e Oriente, a Universidade de Coimbra (UC) reaproxima-se cada vez mais da nova superpotência mundial. Com o objetivo de reforçar os laços que a ligam à China, acaba de ser criada a Academia Sino-Lusófona, uma estrutura inovadora no espaço dos países de língua portuguesa. Esta iniciativa da Reitoria da UC tem por missão desenvolver estudos avançados e efetuar ações de formação focadas nas relações entre a China, Portugal e os Países de Língua Portuguesa com foco na área jurídica, numa perspetiva interdisciplinar.

A criação da Academia Sino-Lusófona da Universidade de Coimbra (ASL-UC) assume-se como mais um passo na reaproximação entre a instituição conimbricense e a República Popular da China (RPC), uma das prioridades estratégicas da UC nos últimos anos. O novo organismo, com sede no Colégio da Trindade-Casa da Jurisprudência, tem como diretor Rui Manuel de Figueiredo Marcos (também diretor da Faculdade de Direito da Universidade de Coimbra) e como presidente honorário António Pinto Monteiro (professor catedrático dessa mesma faculdade).

Após um papel de grande relevância num passado distante, quando Coimbra foi um elemento fundamental da comunicação científica e circulação de estudiosos entre a Europa e a China, sucedeu-se um período de algum distanciamento institucional, que se tem vindo a superar através de várias iniciativas de relevo.  Destaca-se, neste reitorado, a criação do Instituto Confúcio da Universidade de Coimbra (em 2016), o reforço das parcerias com instituições académicas da RPC, o desenvolvimento de canais de divulgação da UC em língua chinesa, a criação de bolsas de estudos dirigidas ao fomento das relações académicas e um número crescente de eventos académicos.

A ASL-UC continua esta aposta estratégica, estimulando o potencial existente de cooperação académica de alto nível, tendo em conta o crescente interesse existente RPC pelo Direito português e dos países lusófonos e o potencial científico e relacional da UC. Genericamente, fará parte da sua área de ação: organizar eventos científicos; gerir parcerias com entidades chinesas, promover a elaboração e publicação de estudos científicos (em especial em matéria de direito comparado chinês e português; realizar cursos não conferentes de grau e outras ações de formação em matérias de direito chinês e/ou português, ciência da administração, ciência política e políticas públicas; prestar consultoria jurídica; e desenvolver atividades de intercâmbio cultural.

“A criação da Academia Sino-Lusófona é um marco importante no desenvolvimento das nossas relações com a República Popular da China, que já estão num nível sem igual num passado recente, fruto do investimento estratégico que temos feito. Esperamos criar à volta da Academia um conjunto de parcerias que marcarão o futuro das relações da UC e de Portugal com a China”, conclui o Reitor da Universidade de Coimbra, João Gabriel Silva.

 

Rui Marques Simões

Redes Sociais

Os comentários estão fechados

« »