Cultura

Concerto inclusivo “Missa de Glória” de Giacomo Puccini realiza-se a 30 de novembro

O concerto é de entrada livre.

22 novembro, 2021≈ 3 mins de leitura

No próximo dia 30 de novembro, pelas 21h30, a Sé Nova de Coimbra será palco do concerto “Missa de Glória”, de Giacomo Puccini.

O espetáculo surge no âmbito do Dia da Língua Gestual Portuguesa, que se assinala a 15 de novembro, e pretende ser inclusivo e aberto à diversidade, quer em palco quer no público. Haverá, por isso, a apresentação da folha de sala do concerto em versão impressa, digital, Braille e Língua Gestual Portuguesa.

O concerto está integrado no Ciclo de Música Ophika da Universidade de Coimbra e é organizado pela Associação Ecos do Passado- Coro Sinfónico Inês de Castro em parceria com a ACAPO- Associação de
Cegos e Amblíopes de Portugal - Delegação de Coimbra.

O Coro Sinfónico Inês de Castro, Ensemble Vocal Pro Musica, os Solistas Pedro Rodrigues (Tenor) e Rui Silva (Baixo Barítono) e a Orquestra Inês de Castro, sob a direção do Maestro Artur Pinho Maria, interpretam a obra icónica da diversidade musical: Missa de Glória de Puccini, uma obra universalmente admirada que integra o repertório coral sinfónico de excelência para coro, orquestra e solistas.

A entrada é livre.

Recorde-se que o Programa da 3.ª edição do Ciclo Orphika decorrerá entre 8 de novembro e 8 de dezembro de 2021. Consulte toda a programação aqui.

Contactos para reservas e solicitação de folha de sala em Braille e Língua Gestual Portuguesa:
corosinfonicoinesdecastro@gmail.com
www.corosinfonicoinesdecastro.pt
Reservas: reservasconcertoscsic@gmail.com

Sinopse - Missa de Glória, G. Puccini (1858 - 1924) - Concerto Inclusivo de Tributo à Diversidade


Missa de Glória (Messa di Gloria no original) é a única obra sacra do compositor italiano Giacomo Puccini. A primeira apresentação da Missa da Glória em 1880 foi um grande sucesso, elogiada pela crítica e pelo público, mas Puccini a arquivou-a e não foi mais ouvida durante a sua vida.

Mais tarde publicada, em 1951, atualmente Missa de Glória integra o repertório sinfónico de excelência para coro, orquestra e dois solistas (tenor e baixo).

Aos dezoito anos, no Istitut Musicale de Lucca, Puccini, ainda estudante, apresentou-a como peça de formatura, mostrando assim as suas virtudes musicais como compositor do período romântico que, mais tarde, fizeram dele um dos maiores compositores de ópera de sempre.

Trata-se de uma obra litúrgica escrita em latim, que compreende as secções habituais de uma missa como o Kyrie, Gloria, Sanctus, Benedictus e Agnus Dei, mas num estilo abertamente operístico, sendo os seus antecedentes musicais mais óbvios a “Petite Messe Solonelle” de Rossini (1863) e “Requiem” de Verdi (1874).

Ao longo do tempo, a crítica tem considerado que Missa de Glória é um trabalho notavelmente seguro, cheio de cor, vitalidade e surpresas musicais, como são as muitas mudanças repentinas de tonalidade. Na atualidade, é universalmente admirada por ser uma obra plena de diversidade musical, ao mesmo tempo descomplicada, o que faz com que seja do agrado dos músicos e do grande público.

Neste concerto, as características que a Missa de Glória encerra são utilizadas para proporcionar uma diversidade de experiências sensoriais próprias de um concerto inclusivo. Assim, as sensações, alusões e folha de sala deste concerto são traduzidas numa conjugação de apresentação da Folha de Sala do concerto em versão impressa e digital, em sistema Braille e em Língua Gestual Portuguesa.

O concerto inclusivo é uma homenagem da cidade e da academia à diversidade, oferecendo oportunidades para todas as pessoas desfrutarem de música coral sinfónica através dos seus vários sentidos.

Quando é dito que a música é uma linguagem universal, não se pode deixar ninguém para trás. Por isso, se acolhe e promove neste concerto a maior diversidade possível dos seus executantes e público.

Evento “Ver, Ouvir e Sentir Música – Palestra e Ensaio Aberto à Diversidade”


No dia 28 de novembro, às 18h30, o Coro Sinfónico Inês de Castro (Associação Ecos do Passado) e a Universidade de Coimbra organizam, no âmbito do Ciclo de Música Orphika de Coimbra, o evento “Ver, Ouvir e Sentir Música – Palestra e Ensaio Aberto à Diversidade”, iniciativa aberta ao público profissional e à comunidade, que propõe a fruição da música num diálogo com a diversidade sensorial, em que se propõe conhecer as especificidades da Língua Gestual Portuguesa aplicada à musica coral, à inclusão e à cidadania.

As reservas para o evento “Ver, Ouvir e Sentir Música – Palestra e Ensaio Aberto à Diversidade”,devem ser feitas para o email reservasconcertoscsic@gmail.com (lotação limitada em conformidade com os planos de contingência COVID-19 em vigor).

Partilhe