Investigação

Mulheres da UC na Ciência: Goreti Sales

Docente e investigadora do BioMark@UC, Goreti Sales, é a primeira convidada da nova rubrica.

06 junho, 2022≈ 2 mins de leitura

Professora e investigadora do Departamento de Engenharia Química da Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade de Coimbra (FCTUC), Goreti Sales é a primeira convidada do “Mulheres da UC na Ciência”.

Licenciada em Ciências Farmacêuticas, Goreti Sales trabalha essencialmente com nanomateriais biomiméticos e dispositivos (bio)sensores. Os seus interesses de investigação são focados no tratamento de várias doenças, em particular as neurodegenerativas, que por norma surgem associadas ao envelhecimento.

Recentemente, Goreti Sales embarcou no projeto “MindGap” que pretende estabelecer uma relação entre mente, corpo, mediação e vesículas extracelulares e perceber que efeito terá a meditação no funcionamento das células do corpo.

Goreti Sales é licenciada em Ciências Farmacêuticas e doutorada em química analítica, sendo docente no Ensino Superior há 26 anos, sempre na área da Engenharia Química. É atualmente professora associada no departamento de Engenharia Química da Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade de Coimbra.

Os seus interesses de investigação são principalmente dedicados a nanomateriais biomiméticos e dispositivos (bio)sensores, aplicados em diferentes áreas. Quando chegou à universidade de Coimbra, em janeiro de 2020, criou um novo grupo de investigação com este propósito, denominado BioMark@UC (https://biomark-uc.eu/), que reúne cerca de 20 investigadores. Este grupo surge na sequência do seu grupo de investigação anterior, BioMark@ISEP, que criou em julho de 2011, juntamente com os seus 5 alunos de doutoramento, contando em 2019 uma equipa de cerca de 25 investigadores. O BioMark é também um grupo de investigação do CEB, Centro de Engenharia Biológica da Universidade do Minho.

Em termos de coordenação de projetos internacionais, destaca-se aqui o projeto 3P's (Starting Grant/FP7) do European Research Council, com um orçamento de 1 milhão de euros (2013 a 2018). Esta bolsa visou o desenvolvimento de dispositivos totalmente autónomos para monitorização de biomarcadores de cancro, através da fusão de áreas de conhecimento distintas: Anticorpos Plásticos, Fotovoltaicos e materiais Plasmónicos. Destaca-se ainda o projeto MindGAP (FET-Open/H2020, https://mindgap-fet-open.eu/), em curso, aprovado para financiamento pela Comissão Europeia em cerca de 4,4 milhões de euros, que pretende estabelecer uma relação entre mente, corpo, mediação e vesículas extracelulares.