Pneumologista, ex-presidente da Sociedade Portuguesa de Pneumologia e diretor da Faculdade de Medicina da Universidade de Coimbra, Carlos Robalo Cordeiro acaba de ser eleito presidente da European Respiratory Society (ERS), a maior sociedade científica europeia dedicada à investigação e formação em torno das patologias respiratórias. É a primeira vez que um especialista português ocupa este cargo.

Carlos Robalo Cordeiro venceu as eleições para a presidência da ERS num mandato de quatro anos. De 2020 a 2021 assumirá o cargo de vice-presidente, em 2021-2022 o de presidente-eleito, entre 2022 e 2023, presidente da sociedade e, entre 2023 e 2024, o de past-president. O professor catedrático da Faculdade de Medicina da Universidade de Coimbra já tinha exercido o cargo de secretário-geral da ERS e no início de 2019 foi distinguido como membro honorário da European Respiratory, sendo o primeiro português galardoado com esta distinção, que é atribuída em reconhecimento pelos méritos clínicos, académicos e investigacionais e pelo contributo para a evolução desta sociedade científica.

Para Carlos Robalo Cordeiro, a eleição surge associada a uma enorme responsabilidade: “é simultaneamente uma sensação de preenchimento pessoal e profissional e de compromisso e gratidão para com os meus mestres, os meus colegas, os meus discípulos, os doentes respiratórios, e a minha família, a quem tudo devo e tudo é devido”, afirma. A eleição “é também um reconhecimento do trabalho que a Pneumologia portuguesa vem desenvolvendo, a quem estou muito grato por me ter permitido chegar até aqui e muito grato particularmente à Sociedade Portuguesa de Pneumologia por todo o apoio que me concedeu, nomeadamente neste processo eleitoral”.

A ERS é, atualmente, a maior sociedade respiratória global e toda a sua vasta agenda nas áreas cientifica, educacional e de advocacy assumem um impacto universal. É neste contexto abrangente que a ERS vem contribuindo decisivamente para o avanço do conhecimento na área respiratória e para a sua correta, eficiente e consistente divulgação.

O tabagismo, as alterações climáticas e a poluição atmosférica têm sido as grandes preocupações da ERS, tendo em conta que são estes os três principais fatores causadores de doença respiratória. Igualmente preocupante, a capacidade de resposta a uma pandemia como a que estamos a viver. “Ninguém estava preparado para uma situação como a que estamos a viver, independentemente da maior ou menor credibilidade com que os diferentes países reagiram, e eu diria que é desejável, embora difícil, que a evolução do conhecimento possa eventualmente permitir prever estes eventos com alguma segurança, mas que é fundamental também aprender com a crise que atravessamos e saber assim antecipar e programar as medidas obrigatórias para minimizar as respetivas consequências. E a ciência deve liderar estes processos”, sublinha Carlos Robalo Cordeiro.

Entre os vários projetos e ambições que tem para este período de liderança da ERS, Carlos Robalo Cordeiro não esconde o desejo de trazer a Lisboa um congresso anual da European Respiratory Society.

 

Milene Santos com Sociedade Portuguesa de Pneumologia

Redes Sociais

Os comentários estão fechados

« »