O Grupo de Etnografia e Folclore da Academia de Coimbra – GEFAC está entre os vencedores dos Prémios Europeus do Património Cultural / Prémios Europa Nostra 2021.

A Comissão Europeia e a Europa Nostra, representada em Portugal pelo Centro Nacional de Cultura, acabam de anunciar os vencedores da edição de 2021 dos Prémios Europeus do Património Cultural / Prémios Europa Nostra, o prémio da União Europeia para o Património Cultural financiado pelo programa Europa Criativa. Este ano, a maior distinção no domínio do património vai para 24 realizações exemplares de 18 países europeus (ver a lista de laureados aqui). Entre os vencedores está o GEFAC, na categoria Serviço Dedicado ao Património. O Júri nesta categoria atribuiu também uma Menção Especial a António Lamas, ex-Presidente do Conselho de Administração da Parques de Sintra – Monte da Lua.

Desde a sua fundação em 1966, o Grupo de Etnografia e Folclore da Academia de Coimbra (GEFAC) tem recolhido e documentado as múltiplas manifestações da cultura popular portuguesa. Com base na música tradicional, danças, teatro, costumes e hábitos das comunidades rurais portuguesas, o Grupo leva à cena expressões culturais contemporâneas na forma de espetáculos de teatro e espetáculos musicais ou de dança, com o objetivo de tornar este valioso património verdadeiramente acessível a todos.

O Júri ficou impressionado com “a dedicação de décadas do Grupo de Etnografia e Folclore da Academia de Coimbra à recolha deste património português que é valioso no contexto europeu”, principalmente porque “este tipo de identidade rural se encontra em risco de desaparecer em toda a Europa”.

a dedicação de décadas do Grupo de Etnografia e Folclore da Academia de Coimbra à recolha deste património português que é valioso no contexto europeu

Foi fundado durante a ditadura, e durante a primeira década de existência do GEFAC, o interesse do Grupo focou as expressões culturais populares e a exploração de temas sociais. Apesar de o GEFAC ter sido oficialmente aceite e apreciado apenas desde os anos 70, desenvolveu ao longo de mais de meio século um extenso arquivo de investigação etnográfica, conservação, adaptação contemporânea e divulgação do património cultural português. As performances originais baseadas na investigação do GEFAC sobre as expressões e costumes tradicionais de todas as regiões de Portugal, juntamente com a vertente de formação do Grupo, merecem um elogio especial.

Uma das mais importantes iniciativas do GEFAC é a realização do seu evento bienal “Jornadas de Cultura Popular”, organizado desde 1979. Os intercâmbios culturais, possibilitados por este e outros eventos em que o GEFAC participa, contribuem largamente para a qualidade das produções e coesão dos seus membros, assim como a integração anual no Grupo de vários estudantes internacionais (de Itália, Eslovénia, Alemanha e Grécia, entre outros).

O Júri raramente se depara com iniciativas tão versáteis e produtivas quando se trata de património cultural: “A combinação de investigação, performances, seminários, formações e parcerias torna o Grupo impressionantemente animado e produtivo. As ligações e colaborações interdisciplinares e internacionais permitem a salvaguarda dos resultados de qualidade destes muitos anos de preservação sobre o património. O trabalho do GEFAC não recupera apenas memórias perdidas, dá também corpo às expressões da cultura popular,  criando momentos de reflexão sobre o nosso próprio tempo e espaço.  O GEFAC foi capaz de encontrar formas de se manter no tempo – o que muitos grupos procuram – , o que resulta numa constante renovação das pessoas”.

A investigação levada a cabo pelo GEFAC ofereceu também um espaço para que algumas comunidades pudessem ver reconhecido o seu património material e imaterial. Exemplo disso são os trajes dos Caretos, característicos da celebração do Entrudo em Podence, Trás-os-Montes e Alto Douro. Com o incentivo do GEFAC, a confeção destes trajes tradicionais e celebração do Entrudo, com menos notoriedade à época, foi recordada localmente. Os Caretos tornaram-se, entretanto, internacionalmente reconhecidos através da sua inserção, em 2019, na Lista Representativa da UNESCO do Património Cultural Imaterial da Humanidade.

O anúncio dos vencedores dos Prémios 2021 foi feito nesta terça-feira, dia 25 de maio, num evento online com a participação de Mariya Gabriel, Comissária Europeia para a Inovação, Investigação, Cultura, Educação e Juventude, e Hermann Parzinger, Presidente Executivo da Europa Nostra.

Os vencedores dos Prémios foram selecionados por Júris independentes, compostos por peritos em património de toda a Europa, após uma avaliação minuciosa das candidaturas submetidas tanto por organizações como por pessoas a título individual de 30 países europeus.

Durante o evento, a comissária europeia Mariya Gabriel  afirmou que “os vencedores dos Prémios Europeus do Património Cultural / Prémios Europa Nostra 2021 são embaixadores da beleza do património na Europa, quer se trate de tradições e know-how, arquitetura de tirar o fôlego ou a forma como o património pode unir comunidades e gerações. Acredito verdadeiramente que a preservação bem sucedida do nosso património tangível e imaterial depende do empenho das pessoas por trás dela. Com estes Prémios, homenageamos todos aqueles homens e mulheres excecionais, profissionais e voluntários do património, arquitetos e cientistas que aproximam o património comum dos nossos corações. A sua visão deve ser aplaudida.”

Já o presidente executivo da Europa Nostra, Hermann  Parzinger,  realçou que “todos os anos, os vencedores destes Prémios são exemplo da incomparável criatividade e empenho de quem trabalha para proteger, valorizar e transmitir o precioso património da Europa às próximas gerações. Os laureados deste ano demonstram inequivocamente como o património oferece soluções e caminhos para ultrapassar desafios aparentemente intransponíveis, à medida que agimos em prol do clima, nos mobilizamos para um desenvolvimento urbano e rural sustentável, e enfrentamos as muitas ameaças aos nossos valores europeus fundamentais. Aplaudimos as suas notáveis conquistas: para que sirvam de inspiração e incentivo para a ação futura de tantos profissionais e entusiastas do património em toda a Europa e mais além”.

Graça Fonseca, Ministra da Cultura de Portugal e presidente em exercício do Conselho de Ministros da União Europeia nessa área partilhou também uma mensagem vídeo de felicitações: “O Património Cultural não conhece fronteiras. Línguas, ciência e arte navegam para além dos limites que a geografia e a história estabelecem. (…) Os meus parabéns a todos os que participaram e aos vencedores porque é o seu trabalho, dedicação e talento que melhor representam estes ideais. Agradeço à Comissão Europeia e à Europa Nostra por esta iniciativa anual tão importante para o nosso projeto Europeu comum.”

Os apoiantes e entusiastas do património de todo o mundo são encorajados a descobrir os vencedores e a votar online para decidir quem vai ganhar o Prémio “Escolha do Público” deste ano.  O Prémio “Escolha do Público” será anunciado no Outono. Os vencedores do “Grande Prémio”, a quem será atribuído um prémio pecuniário de 10.000 euros, serão também tornados públicos nesta ocasião.

Redes Sociais

Os comentários estão fechados

« »