A prevalência de obesidade infantil em Portugal é das mais elevadas na Europa.

O Centro de Investigação em Antropologia e Saúde da Universidade de Coimbra (UC) avaliou o efeito da crise económica entre 2009 e 2016 na prevalência de obesidade e no agravamento das desigualdades sociais. Os investigadores da UC avaliaram, entre outros parâmetros, o comportamento das famílias em termos de alterações do padrão alimentar, atividade física e outros hábitos. Este é o terceiro projeto de obesidade infantil realizado em Portugal, decorreu no ano letivo de 2016/2017 e contou com a participação de várias escolas e jardins-de-infância, no Porto, Coimbra e Lisboa.

A apresentação oficial dos resultados obtidos no projeto “Desigualdades na Obesidade Infantil: O Impacto da Crise Socioeconómica em Portugal de 2009 a 2015” até ao momento acontece através de sessão virtual na próxima quarta-feira, 9 de dezembro, a partir das 14 horas. A inscrição no evento deve ser feita através de formulário online, aqui.

O trabalho que tem sido desenvolvido nesta área pode ser encontrado em artigos, já publicados, que avaliam a associação entre a obesidade infantil e a perceção parental do ambiente de residência, a qualidade de vida das crianças, a genética e a atividade física, o tempo de ecrã, o desporto organizado e o “desenho urbano” de Lisboa. Foi também estudado o impacto da crise económica na saúde mentalansiedade e stress das crianças.

Cartaz OBI

Marta Costa

Redes Sociais

Os comentários estão fechados

« »