Bandeira dourada na Torre da UC

Set 25, 2018

Universidade de Coimbra associa-se à iniciativa Setembro Dourado – mês da sensibilização para o cancro infantil.

PartilheShare on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Email this to someone

Bandeira Dourada - setembro dourado
Fotografia: © UC | Karine Paniza

Já olhou para a Torre da Universidade de Coimbra (UC) hoje? Tem algo diferente, algo dourado.

De 24 a 30 de setembro, a Torre da UC enverga uma bandeira especial. Uma bandeira que tem o objetivo muito específico de promover o conhecimento e a sensibilização para o cancro infantil.

Promovida pela Acreditar – Associação de Pais e Amigos de Crianças com Cancro, a iniciativa “Setembro Dourado – mês da sensibilização para o cancro infantil” pretende mostrar que o cancro também existe na infância mas pode ser combatido.

IMG_4879

UC | João Cavaleiro

 

Em nota, a Acreditar destacou que “reconhecer a cor dourada como símbolo de força, coragem e resiliência, adjetivos comuns a todas as crianças, jovens e respetivas famílias que passam por esta doença, é o objetivo da Acreditar nesta campanha”. À semelhança do cor-de-rosa para o cancro da mama, em outubro, e da cor vermelha para a SIDA, em dezembro, a iniciativa Setembro Dourado vem sensibilizar a sociedade no seu todo para o cancro pediátrico e todas as questões e desafios que ele levanta.​

Para João Gabriel Silva, Reitor da UC, “a Universidade de Coimbra sempre foi uma Universidade de causas e houve a oportunidade, no passado recente, de se envolver nesta causa em particular. Ao associarmo-nos à presente campanha, estamos a cumprir um dos desígnios da responsabilidade social com que nos comprometemos, e a reafirmar o nosso empenho numa causa da qual a Universidade tem estado próxima”.

Criado pela Childhood Cancer Internacional — que representa 181 organizações de pais, crianças e jovens com cancro em 90 países e da qual a Acreditar foi fundadora em 1994 — Ligth It Up Gold (o nome da campanha internacional) quer “iluminar a ouro” a caminhada destas famílias.

 

Karine Paniza

 

 

Redes Sociais

Os comentários estão fechados

« »