Estudante de Doutoramento do CNC – UC ganhou o prémio final do júri do EITHealth PhD Translational Fellowship Program

Ago 19, 2019

PartilheShare on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Email this to someone

FabioRosa_OxfordI
Fábio Rosa durante a sua apresentação em Oxford.
Fotografia: © DR

Fábio Rosa, estudante de doutoramento do Centro de Neurociências e Biologia Celular da Universidade de Coimbra (CNC-UC), ganhou o prémio de 3000€ do júri na sessão final do programa PhD Translational Fellowship Program

O programa selecionou, numa fase regional, os melhores projetos de doutoramento das universidades Europeias que tiveram oportunidade de participar num training camp, de 12 a 16 de agosto na Universidade de Oxford, no qual os participantes adquiriram competências em áreas de valorização comercial de conhecimento e se dotaram de ferramentas específicas na área do biodesign. Fábio Rosa acumula o prémio final do júri ao prémio atribuído na fase regional e seleção (no valor de 5000€ para valorização da tecnologia). Na competição participaram os melhores alunos de doutoramento de universidades parceiras do EITHealth, tais como a Universidade de Oxford, Sorbonne, Colónia, Instituto Karolinska ou Leiden.

De entre os 24 doutorandos de toda a Europa que participaram na fase final deste programa, Fábio Rosa recolheu a preferência do voto do júri da sessão, composto por representantes de parceiros industriais e peritos no desenvolvimento de conceito de negócio. O prémio do júri era o mais prestigiado dos seis prémios disponíveis (melhor projeto segundo o voto do público, melhor pitch, melhor necessidade, conceito mais disruptivo, melhor solução, melhor projeto segundo avaliação do júri).

Para o Vice-Reitor da Universidade de Coimbra para a Inovação e Empreendedorismo, Luís Simões da Silva, “o facto do júri distinguir como vencedor um projeto de valorização comercial de um estudante da nossa universidade numa competição que envolveu os melhores estudantes de universidades tão prestigiadas da Europa, representa para nós um sinal claro do potencial de inovação da nossa Universidade e um estímulo para a UC continuar e reforçar o esforço que tem vindo a realizar no apoio ao empreendedorismo da sua comunidade”. O responsável acrescenta ainda que “quatro estudantes de doutoramento da Universidade de Coimbra, num total de 24 participantes, terem sido selecionados para participar nesta fase final do PhD Translational Fellowships de entre todos os candidatos europeus demonstra a qualidade da investigação e ciência que é desenvolvida na nossa academia”. 

O projeto desenvolvido e apresentado por Fábio Rosa debruça-se sobre a descoberta de três proteínas capazes de converter células (tais como células da pele) em células imunes, chamadas células dendríticas. As células dendríticas são sentinelas do sistema imunitário capazes de identificar células cancerígenas e de iniciar uma resposta imune forte direcionada contra as mesmas células cancerígenas. No contexto da start-up, que recentemente estabeleceu juntamente com Filipe Pereira e Cristiana Pires – Asgard Therapeutics AB (http://www.asgardthx.com/), o investigador pretende explorar o potencial terapêutico da introdução da mesma combinação de proteínas em células cancerígenas, convertendo-as em sentinelas imunitários capazes de direcionar uma resposta imunitária contra o próprio cancro. 

De acordo com Fábio Rosa, “há mais de um século que exploramos a ciência de utilizar o nosso próprio sistema imunitário para o tratamento do cancro-imunoterapia do cancro. De facto, a imunoterapia foi em 2018 galardoada com o Prémio Nobel da Fisiologia e Medicina, muito por ter demonstrado nos últimos anos uma enorme vantagem face às terapias convencionais (tais como a quimioterapia e a radioterapia): este tratamento induz respostas duradouras, aumentando a sobrevivência dos doentes vários anos depois do tratamento. Ainda assim, menos de 30% dos doentes respondem à imunoterapia. Eu e a minha equipa estamos convencidos que a tecnologia inovadora que estamos a desenvolver na Asgard Therapeutics irá revolucionar o tratamento do cancro e, mais importante ainda, criar um impacto positivo na vida dos doentes com cancro”.

Entre os 24 participantes desta final, a Universidade de Coimbra contou igualmente com a presença de três outros estudantes finalistas, selecionados e premiados na fase regional: Carolina Vinagreiro, do Departamento de Química da FCTUC e João Calmeiro e Gonçalo Brites, ambos da Faculdade de Farmácia da Universidade de Coimbra.

O consórcio EIT Health (https://www.eithealth.eu/) é uma iniciativa europeia promovida pelo EIT – European Institute of Innovation and Technology e tem como objetivo a promoção de um estilo de vida mais saudável e a promoção do envelhecimento ativo na Europa. 

A EIT Health congrega os principais clusters regionais de excelência na área da saúde e inclui parceiros de renome da indústria, academia e entidades prestadoras de cuidados de saúde. Empresas multinacionais como os Laboratórios Abbot, Air Liquide, Astra Zeneca, Bayer, Essilor, GE Healthcare, Janssen-Cilag, Merck Sharp & Dohme, Nestlé, Philips Electronics, Procter & Gamble, Roche Diagnostics, Sanofi-Aventis, SAP e a Siemens, entre outras empresas, são parceiros ativos deste programa europeu procurando, em colaboração com os demais parceiros, desenvolver novas soluções na área da saúde. 

Ao nível académico, além da Universidade de Coimbra, participam no consórcio a Universidade de Oxford, Imperial College de Londres, Universidade Católica de Leuven, Instituto Karolinska, Universidade Pierre e Marie Curie, Universidade de Uppsala, Universidade de Colónia, Universidade de Cambridge e a Universidade de Barcelona.

 

Mais informações sobre o PhD Translational Fellowship Program: http://phdtfellowships.eithealth.eu/

Redes Sociais

Os comentários estão fechados

« »