“Melhorar os acessos e a presença urbana do edifício, explorar as potencialidades de articulação dos programas do DArq com a envolvente, repor a legibilidade do edifício eliminando ampliações que o desqualificam”. Estes são apenas alguns dos objetivos apresentados pelo diretor do Departamento de Arquitectura da Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade de Coimbra (DArq/FCTUC), José António Bandeirinha, para o plano de intervenção no Colégio das Artes apresentado hoje, 24 de outubro.

Para o responsável, é fundamental “requalificar os espaços pedagógicos através de operações que, respeitando o valor histórico, reponham a legibilidade dos espaços”. José António Bandeirinha apresentou o projeto, da autoria do docente Paulo Providência, referindo-se como uma “inclusão e não extensão universitária”, sublinhando a urgência em “dar dignidade ao espaço”.

“Nós temos de olhar para todos os espaços com dupla funcionalidade”, acrescentou o Reitor da UC, Amílcar Falcão. “É preciso criar boas condições de trabalho para os investigadores, docentes e estudantes – e o Colégio das Artes é uma espinha encravada, porque não as tem -, e é preciso cuidar do património”.

O Reitor lembrou que, pelo tamanho e especificidade da obra, é um trabalho que “não é pequeno, nem simples, nem barato”. “Será sempre faseado e na ordem dos 10 milhões de euros”, acrescentou.

Amílcar Falcão deixou também “uma mensagem de esperança”: “É uma requalificação que prioritariamente deve servir todos os que aqui trabalham. Um trabalho sólido para olhar o edifício que ficará com uma cara diferente e que dará uma dignidade diferente ao Polo 1 [da Universidade]”.

Para mais informações sobre o projeto, veja aqui.

Veja algumas fotos do evento aqui:

Apresentação de plano de intervenção no Colégio de Artes

 

Marta Costa e Karine Paniza

Redes Sociais

Os comentários estão fechados

« »