ICNAS é referência na produção de Gálio-68

Mar 1, 2018

Transferência de tecnologia de um processo inovador criado no Instituto de Ciências Nucleares Aplicadas à Saúde exportado para o Reino Unido.

PartilheShare on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Email this to someone

Antero Abrunhosa e Vitor Alves_ICNAS_UC2018
Antero Abrunhosa e Vitor Alves com a patente europeia
Fotografia: © UC | Marta Costa

Investigadores do Instituto de Ciências Nucleares Aplicadas à Saúde (ICNAS) da Universidade de Coimbra (UC) criaram uma tecnologia inovadora que permite produzir Gálio-68, um radionuclídeo utilizado no diagnóstico do cancro, com maior rendimento, baixo custo e menores resíduos, ou seja, de uma forma mais amiga do ambiente. Os radiofármacos produzidos são importantes no diagnóstico de vários tipo de cancro, nomeadamente os tumores neuroendócrinos e o cancro da próstata.

“O Gálio 68 tem sido, até agora, produzido através de geradores, que são bastante dispendiosos e de rendimento muito limitado. Por isso, criámos uma colaboração industrial com um dos líderes mundiais no fabrico de ciclotrões, a empresa belga IBA, de que resultou este processo muito mais eficiente”, destaca o diretor do ICNAS, Antero Abrunhosa.

“O processo de produção tradicional com base num gerador é limitado pois permite apenas produzir duas-três doses a cada ciclo de três-quatro horas. O processo de desenvolvido permite multiplicar três-quatro vezes esta produção e reduzir o tempo de espera entre produções para cerca de uma hora.

Desenvolvida por Vitor Alves, aluno de doutoramento orientado por Antero Abrunhosa e Francisco Alves, do ICNAS, a tecnologia gerou à UC uma patente a nível europeu. Uma patente foi também submetida e está em processo de aprovação nos EUA.

A tecnologia já tem um cliente internacional, a Universidade de Cardiff, no país de Gales, Reino Unido. “É um exemplo interessante de como uma parceria industrial da UC deu origem a uma transferência de tecnologia e a uma colaboração académica com outra universidade”, conclui Antero Abrunhosa.

 

Karine Paniza e Marta Costa

 

Redes Sociais

Os comentários estão fechados

« »