As Sete Mil Portas para os CHUC

Mar 8, 2018

Filme “As Sete Mil Portas”, de Tiago Cravidão, é exibido a 13 de março no Teatro Académico de Gil Vicente.

PartilheShare on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Email this to someone

As-Sete-Mil-Portas
Fotografia: © DR

O Centro Hospitalar e Universitário de Coimbra (CHUC) foi objeto de estudo e arte para o cineasta Tiago Cravidão. “As Sete Mil Portas”, parte integrante da 20.ª Semana Cultural da Universidade de Coimbra (UC), é um projeto cinematográfico que surgiu da “vontade de perceber o que é um hospital”, conta o realizador.

A iniciativa começou a partir do filme anterior de autoria do cineasta, “Crónicas de Santa Cruz”, que tem lugar nas lavandarias dos CHUC. A partir daí, revela Tiago Cravidão, “foi usado o mesmo método para o restante do hospital”.

O mote para o filme, segundo o cineasta, foi o de construir um longa metragem que expressasse o seu percurso de quase um ano pelos corredores do hospital. O resultado que se busca atingir agora é o de “resgatar o hospital para um território onde possa ser visto sem os discursos que muitas vezes ocupam o espaço mediático sobre as questões da saúde”, explicita Tiago Cravidão.

Para o realizador, “há uma maneira de fazer as imagens que não é a usual”. Tiago Cravidão acredita que o método possibilita a distinção entre o filme e aquilo que se está habituado a ver nas reportagens e nas séries televisivas. Considera assim que é possível assumir um modo de filmagem “que resista aos modelos de produção tradicionais”.

Inserido dentro do conceito de “casa corpo”, uma das três casas propostas pela 20.ª Semana Cultural da UC, o filme não aborda um tema específico. “Há espaços, gestos, sorrisos, ritmos de trabalho e principalmente uma relação entre as pessoas que fazem as imagens”, explica o realizador.

“As Sete Mil Portas”, que teve apoio da Fundação Calouste Gulbenkian, vai estar em exibição no Teatro Académico de Gil Vicente a 13 de março, pelas 21h30. Mais informações podem ser encontradas aqui ou aqui.

 

Vittorio Aranha, estudante da FLUC

Redes Sociais

Os comentários estão fechados

« »