“Uma comemoração de liberdade” para assinalar 50 anos da Crise Académica

Abr 12, 2019

Programa foi apresentado no Convento de São Francisco, numa organização conjunta entre AAC, UC e CMC.

PartilheShare on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Email this to someone

“Um momento histórico” que é assinalado e que passa por “reconhecer todos os que lutaram pela liberdade e pela democracia”. O presidente da Direção-geral da Associação Académica de Coimbra (AAC), Daniel Azenha, classifica assim a programação das comemorações dos 50 anos da Crise Académica de 1969, apresentada ao público a 11 de abril. Um conjunto de iniciativas que junta, na organização, os estudantes, a Universidade de Coimbra (UC) e a Câmara Municipal de Coimbra (CMC). Desde espetáculos, recriações históricas, apresentações de livros e cerimónias de homenagem, a programação arranca a 16 de abril e conta com iniciativas até outubro. É “uma comemoração de liberdade”, afirmou o presidente dos estudantes.

Um “momento verdadeiramente marcante para a cidade e a academia”, considera também o Reitor da UC, Amílcar Falcão.  Durante a apresentação do programa, o responsável sublinhou que “lembrar os feitos dos nossos antigos e atuais estudantes é uma obrigação da UC”. Para Amílcar Falcão, “este é um passado que nos orgulha e que iremos preservar para as gerações futuras”.

Apresentação do programa de comemorações dos 50 anos da Crise Académica

“Peço a palavra é uma expressão que deve ter sido o discurso mais curto e mais eficaz de intervenção política e grito de alma da Academia que transmitiu o grito de alma de um povo” de toda a história Portuguesa, afirmou também o presidente da Câmara Municipal de Coimbra, Manuel Machado. Sobre o programa das comemorações, o autarca apelidou de “amplo e significativo” que foi “feito não apenas com as formalidades do costume mas com acções concretas para ficarem na memória de gerações vindouras”. “Para que a palavra não volte a ser retirada”, como aconteceu em 69, concluiu Manuel Machado.

Programa para abril:
Dia 16 – 21h30 | Concerto UHF – A Herança do Andarilho” | Convento de São Francisco
Dia 17 – 11h00 | Cerimónia Evocativa dos 50 anos da Crise Académica | Sala 17 de abril do Departamento de Matemática da FCTUC
12h30 | Apresentação do conjunto escultórico “Peço a Palavra!” da autoria de carlos Ramos | Rua Castro Matoso, junto às Escadas Monumentais
12h45 | Descerramento da placa evocativa dos 50 anos da Crise Académica | AAC
16h00 | Lançamento de CD e Livro “José Afonso ao Vivo” | salão Nobre dos Paços do Município de Coimbra
Dia 18 – 21h30 | Espetáculo “Revoluções” com Né Barros e Haarvöl e Digitópia | Convento de São Francisco
Dia 20 – 16h00 | Recriação da final da taça de Portugal de 1969 no jogo de futebol Académica-Mafra | Estádio Municipal de Cidade de Coimbra
Dia 23 – 18h30 | Apresentação do livro “Peço a palavra – Coimbra 1969” de Alberto Martins | Sala 17 de abril do Departamento de Matemática da FCTUC
21h30 | Gala Comemorativa dos 50 anos da Crise Académica e atribuição do estatuto de associados honorários da AAC aos membros dos órgãos sociais em 1969 | TAGV
Dia 24 – 17h00 | Apresentação do livro “A crise académica de Coimbra. 1969” de José Veloso | reportagem fotográfica da Secção de Fotografia da AAC em 1969 | Sala 7 da FDUC
18h30 | Inauguração da exposição “Fita do Tempo” do espólio da Biblioteca da UC | Pátio das Escolas
22h00 | Arraial Social | Jardins da AAC
Dia 25 – 15h00 | Arruada | Praça da República
Dia 26 – 18h00 | Apresentação do livro “O processo de Gualberto Freitas” e exposição de documentação relativa à Crise Académica de 1969 | Real República Corsários das Ilhas
Dia 28 – 15h00 | recriação histórica da repressão e cerco à UC pela Guarda Nacional Republicana com encenação Viv’Arte | Largo D. Dinis
Dia 30 – 21h30 | Espetáculo “O Grande Tratado de Encenação” pelo TEP – Teatro Experimental do Porto | Convento de São Francisco

 

 

Marta Costa e Karine Paniza

Redes Sociais

Os comentários estão fechados

« »